FARMACÊUTICO + SAÚDE: Dispositivos Inalatórios

A Assessora Técnica do CFF e Mestre em Ciências da Saúde e Doenças Respiratórias, Josélia Cintya Quintão Pena Frade, explica que o tratamento farmacológico da asma pode ser realizado por três vias: oral, injetável ou inalatória. “A via inalatória é mais indicada, pois permite que com uma dose, o medicamento alcance as vias aéreas inferiores e inicie a ação de forma mais rápida”, afirma a farmacêutica.

Josélia Frade lembra que o tratamento da asma exige conhecimentos e habilidades para o uso correto dos inaladores – aerossol dosimetrado (“bombinha”), inaladores de pó e nebulizadores - por parte dos usuários e familiares, e um esforço educativo por parte dos profissionais de saúde. “A utilização incorreta pode resultar, por exemplo, em uma menor quantidade de medicamentos nas vias aéreas inferiores, contribuindo para um pobre controle da doença”, completa.

Para Josélia Frade é fundamental que o paciente com asma se oriente com o farmacêutico quanto ao uso correto do dispositivo inalatório, seja ele a “bombinha”, inaladores de pó ou nebulizadores. “E que o farmacêutico esteja atualizado para orientar o paciente da melhor maneira possível”, comenta Josélia Frade. 

Farmacêuticos interessados nas orientações sobre as técnicas no tratamento para a asma, podem acessar o “Caderno de Atenção Básica nº 25”, do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde. Nos anexos da publicação encontram-se as técnicas corretas para orientar os pacientes quanto ao uso de dispositivos inalatórios. 

Fonte: CFF
Autor: Larissa Coelho (estagiária de Jornalismo)

FARMACÊUTICO + SAÚDE: Dispositivos Inalatórios

FARMACÊUTICO + SAÚDE: Dispositivos Inalatórios

A Assessora Técnica do CFF e Mestre em Ciências da Saúde e Doenças Respiratórias, Josélia Cintya Quintão Pena Frade, explica que o tratamento farmacológico da asma pode ser realizado por três vias: oral, injetável ou inalatória. “A via inalatória é mais indicada, pois permite que com uma dose, o medicamento alcance as vias aéreas inferiores e inicie a ação de forma mais rápida”, afirma a farmacêutica.

Josélia Frade lembra que o tratamento da asma exige conhecimentos e habilidades para o uso correto dos inaladores – aerossol dosimetrado (“bombinha”), inaladores de pó e nebulizadores - por parte dos usuários e familiares, e um esforço educativo por parte dos profissionais de saúde. “A utilização incorreta pode resultar, por exemplo, em uma menor quantidade de medicamentos nas vias aéreas inferiores, contribuindo para um pobre controle da doença”, completa.

Para Josélia Frade é fundamental que o paciente com asma se oriente com o farmacêutico quanto ao uso correto do dispositivo inalatório, seja ele a “bombinha”, inaladores de pó ou nebulizadores. “E que o farmacêutico esteja atualizado para orientar o paciente da melhor maneira possível”, comenta Josélia Frade. 

Farmacêuticos interessados nas orientações sobre as técnicas no tratamento para a asma, podem acessar o “Caderno de Atenção Básica nº 25”, do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde. Nos anexos da publicação encontram-se as técnicas corretas para orientar os pacientes quanto ao uso de dispositivos inalatórios. 

Fonte: CFF
Autor: Larissa Coelho (estagiária de Jornalismo)


As mais lidas

  • Week

  • Month

  • All